O que é Terapia de Casal?

Terapia de Casal Presencial e Atendimento Psicológico de Casal Online por Skype com voz e vídeo

Kelen de Bernardi Pizol - psicóloga graduada e pós-graduada pela USP (1994-1998), pós graduada pela USP em Terapia Comportamental e Cognitiva, especializada em Orientação Profissional e de Carreira pela USP, aprimoramento em Transtornos de Ansiedade.

Av. Paulista, Jardins, São Paulo, metrô trianon-masp

telefone e whatsapp (11) 97603-0149, kelenpizol@hotmail.com

Sorocaba -  Jardim Santa Rosália, (15) 98820-1771   (www.terapiadecasalsorocaba.com.br e www.psicologo.sorocaba.br)

Psicoterapia, Atendimento Psicológico Online por Skype, Terapia de Casal (www.terapiadecasalonline.com.br , www.psicologoonline.psc.br)

Orientação de Carreira, Consultoria Comportamental, Orientação Profissional, Desenvolvimento Humano, Coaching Profissional (www.seucoaching.com.br/coachingprofissional), Coaching Pessoal (www.seucoaching.com.br/coachingpessoal)

    A terapia de casal ou terapia conjugal é uma terapia em que ambos os parceiros participam, tendo o foco na sua interação e nas dificuldades específicas que eles estão vivendo. Ela pode auxiliar o casal a pôr seu relacionamento de volta aos trilhos, seja no casamento, no namoro ou no noivado.

    Na terapia de casais trabalha-se para descobrir onde as coisas estão indo mal e procurar modos de melhorar. Não é uma fórmula mágica que irá "consertar" as coisas, mas um canal para o casal entender melhor suas dificuldades e trabalhar em cima delas.

    A terapeuta ajuda os parceiros a identificarem os pontos de conflito dentro da relação e a determinar quais as mudanças desejáveis, sejam no modo de se relacionar, sejam mudanças individuais. Nesse tipo de terapia, há componentes de mediação, componentes educacionais e de terapia individual envolvidos, dependendo das dificuldades específicas enfrentadas. O casal torna-se ciente de pontos de vista e modos de interagir e de se comunicar destrutivos para tentar modificá-los.

    Atendo também casais homossexuais, veja detalhes em http://www.psicoterapiacognitiva.net.br/terapiadecasal/#homo.

O que pode levar o casal à uma crise?

    Os problemas que levam o casal à terapia podem ser dificuldades de interação, sexuais, emocionais, falta de habilidade para lidar com o estresse. Estão embutidos aí o desequilíbrio de valores sobre sexo, educação dos filhos, papéis sexuais, carreira, dinheiro, cuidados com a casa.Há diferenças de gênero que às vezes podem levar à desentendimentos, como os estilos diferentes de comunicação dos homens e mulheres.

    A falta de tempo e as pressões do trabalho podem afetar o relacionamento. Casais muito ocupados podem acabar negligenciando a relação, se distanciando ou priorizando sempre outras partes de sua vida, levando à mágoas. Outras vezes, sentem-se cansados e esgotados quando chegam em casa e acabam não respondendo às necessidades de seus parceiros. Isso também se acentua quando o casal tem filhos pequenos.

    A infidelidade ou traição geralmente leva à uma crise, assim como o estresse que pode advir em fases de transição de vida. Violência doméstica também é um dos motivos para o casal procurar a terapia. Brigas ou discussões constantes, diferenças no grau de comprometimento entre o casal, dificuldades sexuais (como disfunções sexuais como carência de desejo, ansiedade de performance, falta de orgasmo; descompasso de preferências; reflexo de crise na relação, etc), questões sobre prioridade e exclusividade, também são motes possíveis.

    As dificuldades tomam a forma de uma crise, onde muitas vezes um ou ambos põem em cheque a continuidade da relação.

No que a terapia de casal pode ajudar?

Alguns dos objetivos na terapia podem ser:

  • melhorar a comunicação

  • identificar objetivos comuns

  • negociar e equilibrar as diferenças individuais dentro da relação

  • aprender a compartilhar responsabilidades dentro do relacionamento

  • desenvolver estratégias para manter e fortalecer o compromisso

  • acabar com a competição

  • entender as necessidades do outro

  • superar a infidelidade ou traição

  • melhorar a vida sexual

  • melhorar a qualidade geral do relacionamento e a satisfação conjugal

    Leva-se em conta que os problemas de relacionamento podem envolver ou alimentar problemas individuais. Por exemplo, brigas constantes levam a um estado crônico de irritação ou de ansiedade. Já um parceiro constantemente irritado ou ansioso por questões individuais (pressão no trabalho, por exemplo) fica mais predisposto a discussões na relação.

    Certas questões individuais que interferem no namoro, noivado ou casamento, como o ciúmes ou parceiros que foram abusados ou sofreram um trauma, por exemplo, requerem sessões individuais além das sessões conjuntas.

Como é na prática?

    A primeira sessão com o casal e possivelmente uma com cada parceiro são utilizadas para a terapeuta poder entender o que está acontecendo e conhecer melhor cada um para isso. A partir dessa avaliação inicial é que a terapia se desenvolve. Algumas vezes, um dos membros do casal prefere vir sozinho na primeira vez, o que também pode ser feito.

    As sessões são semanais, duram 50 minutos e dentro delas são enfocadas as dificuldades específicas que o casal está enfrentando. Alguns casais que estão passando por uma crise intensa preferem fazer sessões duas vezes por semana.

    É comum a terapeuta pedir para o casal realizar tarefas durante a semana (entre uma sessão e outra) para melhorar o relacionamento e modificar comportamentos e pensamentos que o esteja prejudicando.

    A terapeuta tenta entender os dois lados do problema, ajudá-los a conversar sobre isso, a buscar soluções conjuntamente. Ele tem estudo e treinamento para ser imparcial e respeitar ambos parceiros e para auxiliar ao casal além de um aconselhamento leigo.

    Não há um tempo certo de terapia, mas tem uma duração mais curta do que a terapia individual. A duração mínima é de uns três meses.

    Para a terapia acontecer, ambos parceiros devem desejar tentar melhorar a relação e estar revendo suas dificuldades através da terapia. O andamento da terapia é influenciado pela natureza dos problemas que o casal está enfrentando, pela intensidade e duração das mágoas geradas por eles, pela bagagem emocional e cognitiva de cada um, enfim, por muitas variáveis. É por isso que o comprometimento com a melhora da relação é importante. O casal deve entender que a satisfação no relacionamento compete a ambos.

DIFICULDADES SEXUAIS

    O casal pode ficar insatisfeito sexualmente por questões individuais, devido ao desgaste ou por questões da relação em si.

    As divergências podem estar nas diferenças de resposta sexual, no desejo, na freqüência requerida, na proximidade e intimidade, entre outras coisas. Enfim, pode haver dificuldades em se equilibrar as necessidades sexuais de ambos.

    O desgaste ocasionado pelo tempo é natural e muitos casais podem ter que revitalizar sua vida sexual para encontrar de novo ânimo e desejo.

    As dificuldades em outras áreas do relacionamento podem estar afetando a vida sexual, assim como conflitos crônicos não resolvidos muitas vezes levam a um decréscimo do desejo sexual ou a outros problemas sexuais.

    A terapia auxilia o casal a compreender melhor as causas dessas dificuldades e a procurar e implementar soluções na busca de um relacionamento sexual e geral mais satisfatórios para ambos.

    Quando um dos parceiros tem algum tipo de transtorno sexual (como vaginismo, ejaculação precoce ou dificuldade de ereção, por exemplo) a terapia é feita com sessões de casal intercaladas com sessões individuais, além de poder ser realizada individualmente.

TRANSIÇÕES E CICLOS DE VIDA

    Com o passar dos anos, os casais têm que se ajustar a várias mudanças relacionadas a diferentes eventos, como nascimento de filhos, adolescência, casamento dos filhos, mudanças de emprego e de residência, aposentadoria, crise de estágios de vida (crise de meia idade, por exemplo). Toda mudança requer um ajuste do indivíduo e gera um certo nível de estresse, que quando não é bem administrado pode levar a desentendimentos.

Casais com crianças novas

A paternidade aumenta a responsabilidade e diminui o tempo livre do casal e eles têm que se ajustar ao novo papel. Há reflexos na área sexual e no entrosamento.

Filhos adolescentes

O casal tem que agir de comum acordo nas atitudes com os filhos, trabalhar com limites, aprender a ser firme e flexível ao mesmo tempo e adaptar-se à independência crescente que terá que dar ao filho adolescente. O relacionamento começa a focalizar novamente mais no casal conforme o filho começa a criar independência

Saída dos filhos de casa

A famosa "crise do ninho vazio" pode surgir, quando o casal passa a viver sem os filhos na mesma casa. Após a aposentadoria eles têm mais tempo disponível para seu relacionamento e para seus interesses pessoais. O fortalecimento do vínculo entre os dois pode ajudá-los a lidar melhor com o decréscimo das habilidades físicas e com a solidão potencial.

QUESTÕES SOBRE CRISE NO CASAMENTO

Como uma pessoa percebe que o relacionamento está entrando em crise?

Depende do motivo da crise. Podem começar a haver desentendimentos sem motivo, ou muitas brigas, ou um distanciamento de um dos parceiros sem motivo aparente, por exemplo.

Quais são os principais fatores que levam um casal a entrar em crise?

Adultério, mudanças pessoais que levam à mudanças de planos de vida, mudanças de ciclo de vida (nascimento de filhos, educação de filhos adolescentes,aposentadoria), e muitos outros.

O que uma pessoa deve fazer quando perceber que o relacionamento está em crise?

Primeiro o casal deve conversar a respeito, tentar chegar a pontos em comum para estar solucionando as divergências e/ou dificuldades. Caso não se consiga sair da crise sozinhos, é recomendável buscar ajuda profissional, antes que o problema avance mais.

A performance na cama sofre influências quando um casal está em crise?

Mesmo que a crise seja individual, quando há estresse envolvido, várias áreas podem ser afetadas, inclusive a sexual.

© Copyright Kelen de Bernardi Pizol.
Todos os direitos reservados. É proibido a reprodução integral ou parcial, sem autorização prévia e expressa da autora.